Luís de Camões e o Segredo d’Os Lusíadas – António Telmo

21,00

A DESOCULTAÇÃO SIMBÓLICA DA OBRA DE CAMÕES

Entre a hermenêutica sagaz do esoterismo de “Os Lusíadas”, cifra da viagem iniciática do poeta, e a autobiografia de António Telmo, agora reconstituída a partir de inúmeras páginas que nos deixou, decide-se a vida espiritual do filósofo, num volume que revela dezenas de escritos inéditos.

«‘Não tenho necessidade de acontecimentos extraordinários para que em mim nasça o espanto, porque tudo quanto vemos e ouvimos a toda a hora sinto-o como um milagre.’

O José Marinho disse-me isto, visando talvez o meu interesse pelas ciências ocultas. É verdade que o disse a quem, como ele, apesar de lhe estar muito abaixo em experiência visionária, sabe ver, no entanto, na flor que abre, na folha que cai, no Sol que desponta e até no carro que rola segredos inefáveis.

(…) Eu penso, talvez ao invés do insigne filósofo, que a capacidade de ver em tudo que é corrente o excepcional constitui o caminho ou a antecâmara para que o propriamente excepcional venha ao nosso encontro. Falo, evidentemente, do imprevisível que traz consigo o sinal do bem e da verdade.»

António Telmo

«Deve desde já o leitor habituar-se ao carácter fragmentário da investigação que lhe é proposta. Inspirada, experienciada, feita de viagens, errâncias e perigos, toda a obra de António Telmo, e, em particular, a vertente que nela foi consagrada à razão poética do épico imortal, nos aparece como um grande poliedro de faces diáfanas, laboriosamente construído. Aqui e ali, deu-nos o filósofo, sobre o assunto, as mais amplas vistas, rasgando visões panorâmicas; além, e mais além, relevou e revelou, como revérberos, subtis aspectos de pormenor – tudo isto numa síntese diacrónica de feição assistemática, bem ao arrepio da suficiência sobranceira que costuma assistir os tratadistas.»

Pedro Martins
In Prefácio

Out of stock